Semana de 22 - Linha do Tempo
Semana de 22
Menotti del Picchia
Menotti del Picchia
Tarsila do Amaral
Tarsila do Amaral
Mário de Andrade
Mário de Andrade
Anita Malfatti
Anita Malfatti
Oswald de Andrade
Oswald de Andrade

O pintor alemão Fritz Burguer-Mûhlfield e a Academia Real de Belas Artes foram fortes influências para o expressionismo de Anita

Bio

Anita Malfatti, aos 21 anos, em viagem com as primas para Europa, tem o primeiro contato com a pintura expressionista, que influenciou suas primeiras obras. A artista conheceu o estilo no ateliê do pintor alemão Fritz Burguer-Mühlfeld e também na Academia Real de Belas Artes, em Berlim, onde estudou.

Anita Malfatti e a pintura expressionista
1910
O Pirralho

Oswald de Andrade, então com 21 anos, funda o periódico semanal O Pirralho, financiado pelos pais. A intenção do jovem escritor era de que a publicação fosse moderna e focasse em literatura, arte e política.

Oswald de Andrade funda 'O Pirralho'
1911
Paul Fort
Oswald volta da Europa


Após curta temporada na Europa, Oswald volta para o Brasil com novas ideias de manifestações artísticas, como as do poeta e dramaturgo francês Paul Fort, que era simbolista, e as sugeridas pelo Manifesto Futurista do poeta italiano Marinetti.

Oswald volta da Europa
1912

Oswald e Mário de Andrade se conhecem em evento no Conservatório Dramático e Musical de São Paulo. No mesmo ano, Anita faz uma grande exposição individual no Brasil, com 53 obras.

O escritor Monteiro Lobato escreve o artigo Paranóia ou Mistificação?, onde critica as inovações na pintura da artista e se envolve em uma polêmica com os principais artistas do movimento modernista.

Saíram em sua defesa Oswald de Andrade,  Menotti Del Picchia e Mário de Andrade, que reservou o quadro O Homem Amarelo, integrante da mostra.

Exposição Anita Malfatti
Exposição de Anita
1917

A Revista Brasil publica duas obras de Victor Brecheret e, no mesmo ano, Oswald de Andrade e Menotti del Picchia fundam a revista Papel e Tinta.  O texto sobre o escultor na publicação é assinado com o pseudônimo Ivan. Segundo Telê Porto, que está por trás desse pseudônimo é Mário de Andrade.

Revista do Brasil
A modernidade de Victor Brecheret
1920
Graça Aranha
Graça Aranha

Di Cavalcanti apresenta o escritor e diplomata Graça Aranha (foto) aos intelectuais de São Paulo.


Nas conversas de salão entre eles surgiu a ideia de uma série de conferências, exposições e concertos para divulgar as novas posturas estéticas que vinham discutindo em cafés, nas livrarias e na garçonnière de Oswald de Andrade. Dona Marinette, mulher do mecenas Paulo Prado, sugeriu que se fizesse uma semana de arte nos moldes dos festivais que se realizavam anualmente num balneário francês da costa normanda. Assim, inspirados na Semaine de Fêtes de Deauville, que reunia exposições de pintura, audições musicais, declamação e até desfiles de moda, eles partiram para um projeto mais ambicioso, aproveitando a onda em torno do centenário da Independência e, com o aval da burguesia cafeeira, levaram o projeto para o majestoso Theatro Municipal.

Surge a ideia da semana de arte
1921


Evento, realizado entre os dias 13 e 18 de fevereiro - com três noites de festival -, conta com aval e abertura feita por Graça Aranha, o nome ‘forte’ à época, e teve audições musicais, leitura de poemas e uma exposição de artes aberta de segunda a sábado no saguão do Theatro Municipal de São Paulo.

cartaz Semana de 22
A Semana de Arte Moderna

A Semana de Arte Moderna foi o primeiro ato público do que viria, depois, a ser conhecido como modernismo. Obras de Anita, Di Cavalcanti e Brecheret figuravam entre as demais que escandalizaram o público, que entre vaias e aplausos prestigiaram a mostra.

A Semana de Arte Moderna
1922
O Grupo dos 5

O Grupo dos 5
1923
Blaise Cendrars


Graça Aranha promove o discurso O Espírito Moderno, no Rio de Janeiro, pouco antes de romper com a Academia Brasileira de Letras, o que provoca acirrada polêmica. Oswald publica o Manifesto da Poesia Pau-Brasil e os modernistas fazem uma viagem de 'reconhecimento' com o poeta franco-suíço Blaise Cendrars (foto). Vão ao Rio de Janeiro e Minas Gerais (Belo Horizonte e Cidades Históricas).

Manifesto da Poesia Pau-Brasil
1924


Mário faz a primeira viagem etnográfica pela Amazônia, o que viria a influenciar suas próximas obras e o estudo sobre o folclore brasileiro. O arquiteto Gregori Warchavchik constrói a primeira casa modernista do país, na Rua Santa Cruz, em São Paulo.

Mario de Andrade na Amazônia
Mário de Andrade na Amazônia
Gregori Warchavchik lança casa modernista
1927


‘Macunaíma’ de Mário de Andrade, chega às livrarias e Oswald publica o Manifesto Antropófago na Revista de Antropofagia. Uma das principais produções artísticas do período é o Abaporu, pintura a óleo feita por Tarsila como presente ao marido, Oswald.

Livro Macunaíma

‘Macunaíma’, de Mário de Andrade, chega às livrarias e Oswald publica o Manifesto Antropófago na Revista de Antropofagia. Uma das principais produções artísticas do período é o Abaporu, pintura a óleo feita por Tarsila como presente ao marido, Oswald.

Manifesto Antropófago
1928


Em evento no Itamaraty, organizado pela Casa do Estudante do Brasil, Mário faz um balanço crítico sobre o modernismo. Entre as falhas que aponta está o distanciamento dos graves problemas sociais de seu tempo e a análise de sua participação no movimento.

Balanço crítico sobre Modernismo
1942


Abertura do Museu de Arte Moderna de São Paulo, por Ciccilo Matarazzo e Yolanda Guedes Penteado (foto). A primeira mostra feita no local foi Do Figurativismo ao Abstracionismo, em 1949, e contava com trabalhos abstratos, que eram bastante polêmicos à época.

Museu de Arte Moderna
Museu de Arte Moderna
1948
Getúlio Vargas


Trinta anos após o evento, os jornais publicam, pela primeira vez, reportagens sobre a Semana, tratando-a como um acontecimento histórico. O então presidente Getúlio Vargas se refere ao modernismo como um conjunto de ‘forças revolucionárias’ da cultura brasileira.

A Semana vista como evento histórico
1952
O rei da vela


A obra de Oswald começa a vir à tona novamente e circula pelo cinema, teatro e música popular. O diretor José Celso leva O Rei da Vela, de Oswald, para o palco do Teatro Oficina. O tropicalismo, movimento que teve como ponto alto a música, é uma releitura do ideário modernista. Segundo Caetano Veloso, “o Tropicalismo é um neoantropofagismo.”

O Rei da Vela e o Tropicalismo
1967


O cinquentenário da Semana, em plena Ditadura Militar, marca a consagração do evento. Sua memória é resgatada com comemorações organizadas pelo governo, entre elas a exposição no Masp, intitulada Semana de 22.

Cinquentenário Semana de 22
50 anos Semana de 22

O cinquentenário da Semana, em plena Ditadura Militar, marca a consagração do evento. Sua memória é resgatada com comemorações organizadas pelo governo, entre elas a exposição no Masp, intitulada Semana de 22.

Cinquentenário da Semana de 22
1972


O texto de Macunaíma ganha o palco de teatro com a montagem feita por Antunes Filho.

Macunaíma por Antunes Filho
1978


Secretário de Cultura Mario Chamie (foto) realiza série de exposições, concertos e mostras cinematográficas para comemorar os 60 anos da semana. Ele tinha uma proximidade maior com a arte, já que era poeta, crítico literário e foi responsável pela inauguração do Centro Cultural São Paulo, além da reorganização da Pinacoteca de São Paulo.

Mario Chamie
60 anos da Semana de 22
60 anos da Semana de 22
1982


A efígie de Mário de Andrade estampa a cédula do Cruzeiro Real, que circula durante um ano.

cédulas com efígie de Mario de Andrade
Mário de Andrade nas cédulas

A efígie de Mário de Andrade estampa a cédula do Cruzeiro Real, que circula durante um ano.

Mário de Andrade estampa cédulas
1993


Caixa Modernista, que conta com recriação de textos, imagens, publicações do período modernista, é lançada por Jorge Schwartz.

Caixa modernista
Caixa Modernista
Caixa Modernista
2002
Atriz Série Um só Coração
Um Só Coração


A série Um Só Coração, escrita por Maria Adelaide Amaral e exibida pela Rede Globo, tem núcleo formado em torno do grupo modernista e Olivia Penteado (Selma Egrei), que foi a grande incentivadora do modernismo no Brasil.

Um Só Coração
2004


Oswald de Andrade é o homenageado da Flip (Festa Literária Internacional de Paraty). Mário foi o escritor que norteou o evento em 2015.

Flip em homenagem a Oswald de Andrade
2011
Tarsila Popular


Masp abre a exposição Tarsila Popular, e traz a ‘estrela’ da obra da pintora, o Abaporu. A Mostra registrou recorde de público e levou mais de 400 mil pessoas ao museu.

Tarsila Popular no Masp
2019


Mais de 100 programações, que tiveram início em 2021 e fazem parte do projeto Modernismo Hoje, da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, têm como objetivo comemorar o centenário da Semana de 22. Neles estão eventos de teatro, literatura, artes plásticas, audiovisual, palestras, cursos, entre outros, que mostram, de modo plural e democrático, os ecos provocados pelos modernistas ao longo dos anos.

100 anos da Semana de Arte Moderna
O Centenário
2022